Entrevista com o volante Willian Maranhão, do América Mineiro

Willian Marlon Ferreira Moraes nasceu no dia 14 de dezembro de 1995 na cidade de São Luís-MA. Fostes revelado profissionalmente no Boa Vista-RJ e tens passagens por Santa Cruz e Vasco da Gama. Atualmente está no América Mineiro. Conhecido e reconhecido pela forte marcação e bom passe

 

Gosta de alguns esportes além do futebol? Quais? R: Gosto de assistir Basquete, Futsal e Futebol de areia.

Time do coração: R: O time que me encontro atualmente, mas pode colocar o Maranhão AC, time que eu ia assistir os jogos quando voltava para casa, meu tio jogou na equipe.

Um hobby: R: Jogar vídeo game, assistir jogos e ir à praia.

Filme favorito: R: Homem de honra.

Gênero musical favorito: R: Samba e pagode.

Uma música: R: Gratidão (Xande de Pilares) e Ser humano (Zeca).

Melhor jogo que já viu: R: Final da Copa de 2002, era bem jovem, mas lembro, pois ficou bem marcado aquele título pra seleção.

Uma qualidade sua: R: Profissionalismo.

Um defeito seu: R: Ansioso.

Maior orgulho: R: Minha família.

Tem algum arrependimento? R: Queria ter convivido mais com meu pai, infelizmente já se foi, mas no futebol não me arrependo de nada.

Uma frase que te inspira: R: Seja forte e corajoso – Josué 1:9.

 
Foto: Santa Cruz FC.
 

1- Nascestes na cidade de São Luís, de Maranhão. Mas nunca atuastes no futebol maranhense, o que poderia dizer sobre sair da tua parentela jovem e tentar a vida no Rio de Janeiro? Fostes revelado no Boavista-RJ, clube que geralmente é conhecido por contratar muitos atletas veteranos, como foi participar desse outro lado da equipe? Acreditas que o time de Saquarema enfim vai sair do rótulo de equipe que investe muito para ficar no mesmo nível nacional? Como foi conquistar a Copa Rio?

R: Sim, é verdade. Eu saí cedo de São Luís, como muitos atletas da região que não chegaram a jogar pelos clubes da capital pelo motivo de ser difícil conseguir o profissionalismo pela questão financeira e outros motivos também. Fui feliz no Boavista, depois de passar por alguns clubes, cheguei ao profissional apesar das dificuldades com muitos medalhões, mas estava focado e pensando em jogar futebol (realizar o sonho de jogar contra grandes equipes) e consegui, tendo sequência e completando 100 jogos (o que é difícil ao ver um time que praticamente somente joga Copa Rio e Campeonato Carioca). Fui feliz e cheguei no Santa Cruz e Vasco, eu espero que não fique somente no estado, agora estão disputando a Série D e montaram um bom time, torço para que eles consigam subir para um patamar maior.

 

2- Passou pelo Santa Cruz. Como definiria sua passagem pela equipe e a aproximação da torcida por você? Se pudesse destacar um momento desde o sub-23 até seu último jogo pelo profissional, qual seria? Acreditas que o time montado por Milton Mendes conseguirá retornar a equipe para a Série B em 2020? Por qual motivo?

R: O Santa Cruz para mim foi importantíssimo, talvez um divisor de águas, depois de uma passagem pelo Boavista, apesar de boa, não é um clube de expressão no cenário nacional. O Santa Cruz com toda essa grandeza e torcida imensa, então foi uma satisfação muito grande em poder ter atuado. Sou muito grato e acredito que os torcedores também gostaram da minha passagem pelo clube. Espero que consiga subir esse ano para Série B e depois para a primeira, é um dos grandes do Nordeste e do Brasil. Com a chegada do Milton Mendes, apesar de nunca ter trabalhado com ele, espero que faça um bom trabalho, tem muitos jogadores que atuei junto e que continuam na equipe e tenho certeza que vão fazer de tudo para chegar no acesso com o Milton e sua vasta experiência.

 

3- Esteve no Vasco da Gama. Mesmo com um número bom em termos de desarmes e passes concluídos com sucesso no ano passado não conseguiu uma sequência em 2019 com Alberto Valentim. Por quais motivos isso aconteceu? Apesar do investimento mais modesto em relação a outras equipes, o objetivo do cruzmaltino é uma vaga na Libertadores seja via Campeonato Brasileiro ou Copa do Brasil? Qual a sensação de atuar em um dos maiores clubes do país? Atualmente está no América Mineiro. Quais são as expectativas para o decorrer da temporada? O início não está sendo da melhor maneira, o que pode ser feito para melhor tal situação?

R: O Vasco da Gama para mim foi algo maravilhoso, depois de ter feito um bom desempenho com a camisa do Santa Cruz, pude chegar ao cruzmaltino, outro clube com uma imensa torcida. Gigante no futebol brasileiro, fiquei bastante feliz, pude ajudar na meta de não rebaixamento da equipe. Infelizmente cheguei em um período super complicado em 2018, tive boas atuações, mas o resultado não mostra isso, pois nós saímos com o placar negativo e apagava as atuações, porém fico feliz de renovar. Infelizmente 2019 não começou do jeito que planejei por opção dos caras de cima, porque eu estava preparado, mas tive poucas oportunidades e necessitava de mais minutos em campo, pois estava muito afim de jogar.

R: Sobre o América Mineiro, aceitei esse desafio, pois é um clube grande em Minas (junto com Atlético Mineiro e Cruzeiro), não fica por baixo, com uma estrutura maravilhosa, onde pretendo ser muito feliz e oferecer a alegria ao torcedor americano, espero subir esse ano com o América e deixar onde deveria estar, junto com a diretoria, a comissão técnica. Almejo o acesso, apesar do início está complicado, mas a equipe está se reforçando, o Barbieri está com pouco tempo de trabalho, porém creio que vai dar tudo certo. Vamos melhorar muito na posição e brigar na parte de cima.

 
Foto: Boavista-RJ.
 

4- Na hora de escolher um clube novo para defender, você pensa primeiramente no projeto mostrado pelo clube ou no salário que o time está oferecendo? Fale sobre a valorização dos salários no mercado brasileiro? Você fez excelentes trabalhos nos clubes brasileiros, porém nunca chegou a vestir a camisa de um clube estrangeiro, sentiu alguma falta de experimentar culturas e modos de jogar diferentes dos praticados do país?

R: Eu penso muito no projeto, não vale a pena ir somente pelo salário, apesar de ser importante também e pesar na escolha. Mas o projeto é de suma importância, pois tem que almejar algo grande possuindo metas em um clubes estruturado, onde tem projeto traçado. Os clubes estrangeiros, um pouco de maior organização e com dinheiro, assim chama a atenção dos jogadores brasileiros e espero um dia jogar fora do país, é um dos objetivos meus chegar em um grande clube de outro continente.

 

5- Uma mensagem para os colunistas e leitores do site mercadodofutebol.com?

R: A mensagem que eu deixo para os colunistas e leitores é de agradecimento. Por ter dado espaço para falar um pouco da minha história, como tudo começou e fico bastante grato por isso. Para falar que nada é impossível, basta você querer, buscar, ter meta e renunciar muita coisa para atingir o objetivo. Um grande abraço e tamo junto!

 
Resta1