Futebol além dos jogadores com o analista de desempenho Edinardo Abeu

Nos conte um pouco da sua carreira: 

R: Iniciei no futebol no ano de 2009, com apenas 15 anos. Na época, apaixonado por futebol e pelo clube da minha cidade, desenvolvi um modesto site para o clube como torcedor e logo recebi o convite para integrar a equipe. Nela (Maranguape), fiquei até 2014, quando recebi um convite do Guarany de Sobral que na temporada disputou Copa do Nordeste e Série D. De lá, fui contratado pelo Icasa para a disputa da Série B do Brasileiro e Taça Fares Lopes, onde conquistei meu primeiro título. Após minha saída do time do Cariri, durante a Série C de 2015, fui contratado pelo Ceará Sporting Clube para realizar a análise de desempenho das categorias de base do clube. Naquele ano, fomos campeões de todas as categorias do estado (sub-13, sub-15, sub-17 e sub-20). Em 2017, retornei ao Maranguape e agora estou no Pacajus Esporte Clube.

 

 

Nos fale um pouco da sua profissão? 

R: A análise de desempenho desenvolve um papel de suporte dentro de um clube. Suporte esse que é desenvolvido para auxiliar a comissão técnica, jogadores e diretoria. O trabalho resume-se em analisar os comportamentos individuais e coletivos da equipe, além de analisar adversários e o mercado para possíveis contratações.

 

 

 

Na sua profissão, quem você considera o melhor ou melhores) no estado e no país? 

R: Bruno Baquete, ex-analista de desempenho do Corinthians/SP.

 

 

Maior dificuldade que enfrentou na carreira? 

R: Superar a desconfiança dos demais ocasionada pela pouca idade.

 

 

 

Um sonho a realizar no futebol? 

R: Chegar à Seleção Brasileira, sonho de praticamente todos os profissionais do futebol nacional.

 

 

Um ídolo no futebol? 

R: Não possuo nenhum ídolo no futebol, mas existe inúmeros profissionais que admiro e sigo seus valores.

 

 

Sua família te apóia na profissão? 

R: No início meu pai não apoiava, achava que era perca de tempo. Hoje em dia é totalmente diferente, ele veste a camisa do clube que trabalho nos dias de jogos.

 

 

Metas para 2018? 

R: Juntamente com o clube que trabalho, traçar e alcançar as metas, desenvolvendo um trabalho de qualidade sendo no âmbito profissional ou nas categorias de base.

 

 

 

Deixe um recado para os amigos e admiradores do seu trabalho:

R: O recado que eu deixo é que um ótimo profissional sempre tem que estar em evolução, buscando conhecimento e desenvolvendo novas habilidades, além de ser profissional acima de qualquer coisa.