Atlético Mineiro é multado pelo STJD por cantos discriminatórios e arremessos de objetos contra o Flamengo

A torcida do clube alvinegro cantou músicas de cunho racistas, misóginas e homofóbicas direcionadas ao clube e a torcida carioca

Semanas após a partida de ida entre Atlético Mineiro e Flamengo pelas oitavas de final da Copa do Brasil, e a decisão do duelo entre os times no torneio, com a classificação carioca, o jogo de ida ainda dá o que falar em diversos âmbitos desportivos.

No dia 19 de julho, após o sorteio das quartas de final da Copa do Brasil, foi noticiado que o Galo seria julgado pelo STJD no dia 21. O clube mineiro foi réu da 4ª comissão disciplinar do STJD, e julgado por causa de “cânticos discriminatórios” da sua torcida durante a vitória de 2 a 1 contra o Flamengo, no jogo de ida da Copa do Brasil, em 22 de junho, no Mineirão.

Com isso, nessa quarta-feira (10), segundo informações do ge (Globo Esporte), o Galo foi novamente julgado por denúncia de “gritos discriminatórios” da torcida durante a partida contra o Flamengo, no Mineirão.

Além do clube mineiro, Junior Alonso, zagueiro alvinegro também foi julgado por jogada temerária por lance no jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil. O lance aconteceu contra o atacante Pedro, e originou a falta que deu o 2º gol ao clube carioca, confirmando a classificação para as quartas de final.

De acordo com as informações do ge, o time mineiro foi multado em R$ 60 mil, enquanto Junior Alonso foi advertido.

A denúncia teve origem após recebimento de Notícia de Infração do Flamengo. Inicialmente, a relatora do caso, Dra. Adriene Silveira Hassen, defendeu multa em R$ 65 mil e perda de mando pelos cantos “homofóbicos, misógenos e machistas”. A relatora afirmou que o caso é grave por todas as estatísticas contra a população LGBTQIA+.

“Entendo pela gravidade da prática em grande número dos torcedores, que entoaram palavras discriminatórias a um outro grande número”.

O advogado do Atlético, Theotonio Chermont, minimizou os cantos homofóbicos da torcida do Galo e defendeu o clube sob a alegação de que a pena sugerida seria “desproporcional“. Segundo ele, o canto não foi para discriminar.

“O politicamente correto está chato demais. As palavras são muito mais por xingar do que para ser preconceituoso. O torcedor não tem essa sensibilidade para discriminar, xinga para provocar. Não dá para exigir que alguns torcedores tenham esse comportamento. Querer punir com R$ 65 mil e perda de campo é absurdo. O julgamento anterior teve casos muito mais graves, não ouvi a turma falando em perda de mando ou em multas caras, como os R$ 5 mil. O Flamengo saiu no lucro naquele caso. Agora punir o Atlético em perda e com essa multa é desproporcional”, disse.

Em votação, outros membros da 4ª Comissão Disciplinar do STJD até aqui, decidiram por retirar a perda do mando e por abaixar a multa para R$ 50 mil.

Foto de Bruno Sousa/Atlético

As lutadoras brasileiras com mais vitórias dentro do UFC Salah e Marquinhos são destaques na seleção da semana do FIFA 23 Neymar cada vez mais próximo de marca histórica pela Seleção Brasileira Os pilotos com mais vitórias pela Willians na história da Fórmula 1