Por meio de comunicado, Santos fala sobre Doyen e Luan Peres

Neste sábado, a diretoria santista por meio de comunicado oficial, trouxe a público, duas situações que estavam sendo tratadas em sigilo, devido a importância de ambas, e as dificuldades que acontecem a todo momento. A “operação casada”, foi tratada com cautela, até ser formalizada, para não ter contratempos futuros.

Na primeira situação, o Clube acertou um acordo com a Doyen, o maior problema financeiro do Santos na última década. A dívida se iniciou em 2013, quando o Santos contratou o atacante Leandro Damião, e desde então, a transação só gerou prejuízos aos cofres santistas. O pagamento final, deveria ter sido em 2019, com o pagamento da última parcela, de 5 milhões de euros, o que não aconteceu, e reabriu uma discussão judicial. A Doyen na justiça, pedia o pagamento de 15 milhões de euros, e o Santos conseguiu derrubar 45% deste valor, que deve ser pago até 2023, dentro da gestão do presidente Andres Rueda.

O não pagamento à Doyen gerou diversos bloqueios diários nas contas do Santos. Nos meses de fevereiro e março, não entraram um único real nos cofres santistas, por conta desta ações. Depois de muito esforço, por meio de uma liminar, conseguiu-se liberar 15% dos valores bloqueados e, posteriormente, 85% das receitas ordinárias. Já as receitas extraordinárias, provenientes de venda de atletas, ficavam bloqueadas, o que dificultava a administração das contas santistas, como honrar os salários dos jogadores e demais funcionários do Clube.

Segundo o presidente Andres Rueda, reorganizar a situação financeira do Santos é o seu principal ato. “Como se sabe , as receitas ordinárias do Clube ainda não estão à altura das despesas. E ainda temos uma série de dívidas a serem pagas. Dos dez grandes problemas financeiros, nove estão com acordos fechados agora. Vamos honrar esses pagamentos para garantir a reorganização financeira de nossa instituição”.

A outra parte da notícia, que fez a primeira dar certo, foi a venda do zagueiro Luan Peres ao Olympique de Marseille, da França. Dentro da negociação, a diretoria santista ainda conseguiu com que o Club Brugge abrisse mão do seu percentual na venda do jogador, além do empresário que fez o mesmo, relacionado à sua comissão, na contratação pelo Santos, no início de 2021. O ponto positivo foi que o jogador foi vendido por um valor superior ao investido na sua compra no início do ano, gerando lucros, ainda que não exatamente como se esperava, aos cofres santistas.

Rueda também frisou das dificuldades que o ano de 2021 seria para os santistas. “Sabíamos que 2021 seria um ano que doeria na carne do santista. É muito doloroso anunciar que perderemos Luan, o zagueiro que foi a primeira contratação da nossa gestão. Confiamos muito em seu futebol, mas, infelizmente, neste momento, foi a solução encontrada. Mesmo com todas as dificuldades, estamos conseguindo honrar os compromissos de curto prazo, como salários, direitos de imagem, todos em dia, além de impostos e acordos diversos”.

Luan Peres saiu do Santos com 90 jogos feitos com a camisa do Peixe, sendo 87 como titular, e tornou-se um dos pilares do time.

Abaixo, as ações que a atual diretoria já fizeram em pouco mais de seis meses de gestão no Santos.