Prefeito de BH marca reunião para discutir volta de público na capital

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, anunciou, nesta quinta-feira (22), em entevista a rádio Super 91,7 MF, que marcou uma reunião com os clubes para tentar o retorno do público aos estádios na capital.

“Vamos ter uma reunião na terça com clubes de futebol, para ver a volta (do público), tudo dentor de protocolo, obviamente. Não podemos ter pressa, nem assodamento, nem euforia. A doença está aí, não acabou. O que eu peço para a população de Belo Horizonte, na linguagem do futebol: não vamos tomar gol aos 45 min do segundo tempo porque é burrice. Espero que a população entenda”, ressaltou Kalil, no programa Alerta Super

A prefeitura vai conversar com o Estado, que inclusive, já liberou o retorno do público, porém, somente para as regiões que estão na onda verde do Minas Consciente. A intenção de Kalil é liberar 30% da capacidade dos estádios, desde que todos os portões fiquem abertos para garantir o distanciamento entre as pessoas. Não há, no entanto, uma previsão da prefeitura para liberar a volta gradual dos torcedores. 

“Está se preparando um protocolo. Temos que voltar aos poucos, com juízo. Afinal de conta, quando você fala com 10%, 20%, 30% de público, isso não altera financeiramente para um clube de futebol. Mas está na hora de voltar aos poucos, com juízo, faz falta para muita gente, é uma diversão. Tudo vai ter hora. Na terça vamos nos reunir, é isso que está programado, com horário pré-marcado, para viabilizar a volta”, ressaltou o prefeito de Belo Horizonte.

Para competições nacionais, a CBF já indicou o desejo de fazer testes com retorno de público a partir das quartas de final da Copa do Brasil. No Brasileirão, tanto Série A quanto Série B, há um entendimento entre os clubes para que o retorno se dê ao mesmo tempo. Já na Libertadores, a Conmebol já liberou o público nos estádios, porém, no caso do Atlético ainda precisa de um aval da prefeitura de BH.

Porém vale lembrar que o Cruzeiro tem uma punição imposta pelo STJD, e terá que jogar 5 jogos com os portões fechados, devido as confusões nas partidas contra Atlético, CSA e Palmeiras, no ano passado, essa última que culminou no rebaixamento da equipe celeste.

Foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)