Renato demonstra preocupação com o DM do Santos: “ficou muito para trás”

Em entrevista ao Diário do Peixe, o ex-jogador Renato Florêncio falou sobre uma preocupação que assola a todos nos últimos meses no Santos, a quantidade de jogadores no Departamento Médico. Para o ídolo santista, o setor “parou” no tempo, enquanto os demais clubes do país evoluíram consideravelmente.

Para o ex-jogador, a situação é preocupante. “Em relação a parte do Departamento Médico, ficou muito para trás. Eu vi outros clubes, passei pelo Botafogo, que conseguiu modernizar a estrutura do Departamento Médico, coisa que o Santos ainda não fez, está atrás. A gente vê o Palmeiras, com aporte financeiro, o Corinthians, teve a influência do Ronaldo, mas se criou. E tem o São Paulo, que já era uma referência no cenário brasileiro, principalmente no Departamento Médico. A gente não pode ficar para trás”.

Renato ainda falou do tempo que os jogadores ‘perdem’, necessitando ficar no Departamento Médico, já que tem que sair de tratamento, o mais rápido possível. “Nosso patrimônio é o jogador, então o atleta que chegar no DM precisa sair o quanto antes, não pode ficar muito tempo. Isso acaba prejudicando o clube, atleta. Ninguém gosta de se machucar, de ficar de fora. Essa estruturação da minha época melhorou, mas eu acho que depois da minha segunda passagem em 2014 para cá, ficamos para trás. É isso que alertamos”

Renato jogou como profissional até 2018, quando se despediu do futebol vestindo a camisa do Santos no jogo contra o Atlético Mineiro, onde o Peixe venceu por 3 a 1, na Vila Belmiro, mas não deixou o futebol, assumindo a função de coordenador técnico até março de 2021.

(Foto: Ivan Storti / Santos FC)