Sócios, Patrocínios e Licenciamento, veja quanto essas ‘linhas’ renderam ao Santos

Nesta segunda-feira, vai acontecer reunião do Conselho Deliberativo de rotina, onde será votado o relatório do Conselho Fiscal, referente ao segundo trimestre, que apontou um superávit de R$ 14,35 milhões, segundo informação inicial do Diário do Peixe.

Embora aponte superávit o relatório, as contas do Santos seguem sem ‘dinheiro em caixa’, devido aos acertos de dívidas anteriores. Dentre os valores apontados, o quadro de sócios ativos gerou uma receita de R$ 1.481.367,70 líquidos, aproximadamente de R$ 500 mil mensais.

O segundo trimestre também apontou uma receita de R$ 256.865,23, provenientes de produtos licenciados, onde o relatório afirma ter 61 contratos de licenciamentos, com mais de 450 produtos no mercado, e este número pode aumentar, já que existem mais 5 contratos em fase de conclusão e assinatura, além de outros 15 contratos, em fase de análise.

Com estes números, mais premiações, patrocínios e receitas de cotas de televisão, o superávit aponta um número de R$ 62.857.659,00. De janeiro a maio, foi apresentado uma receita prevista de R$ 57 milhões e mais R$ 87 milhões de receitas extraordinárias, como a venda dos jogadores Lucas Veríssimo e Diego Pituca, mais as premiações.

OPINIÃO: Dentre os valores apresentados, o valor arrecadado com produtos licenciados está bem abaixo da grandeza do Santos, igual ao valor do “Sócio Rei”. Um clube com a dimensão do Santos não pode arrecadar pouco mais de R$ 750 mil mensais com seus produtos e seus associados. A diretoria tem buscado formas para aumentar este valor, mas a torcida também, deve fazer sua parte, prestigiando o clube e comprando seus produtos originais, e tornando-se Sócio Rei, que vem aumentando o número de vantagens ao torcedor associado.

(Foto: Ivan Storti / Santos FC)