Sudão, as constantes mudanças atrapalham o planejamento de sonhos maiores

Foto: Seleção do Sudão.

Se baseando no elenco de 29 atletas que disputou a Copa das Nações Árabes, inclusive perdendo para o Egito por 5 a 0 (enfrentará novamente na CAF) que Hubert Velud demitido mês passado convocou, existe a base com 22 nomes que atuam nos rivais de Omdurman, precisamente Al-Hilal (Ricardo Formosinho, ex-auxiliar de José Mourinho é o técnico) e Al-Merreikh (Léo Neiva que estava treinando São Cristóvão e Nevis chegou), vale lembrar que ambos estarão no Grupo A da Liga dos Campeões. Burhan Tia chegou para aparar as arestas que restaram.

Complementando com três jogadores está o Al-Ahli Merowe, equipe que disputa a Taça da Confederação (segundo nível continental), o Al Khartoum SC fecha a lista de 26 jogadores, uma média alta para um país de 43 milhões que apesar do potencial viveu uma ditadura durante 30 anos (o golpe militar voltou dois meses atrás), na qual dificultou o crescimento no futebol. Mesmo com isso existem nomes que atuam fora do país, precisamente Sharaf Shiboub (CS Constantinois, da Argélia) e Ather El Tahir (Smouha SC, do Egito) e Yasin Hamed (Nyíregyháza Spartacus, da Hungria).

A ideia é quem sabe repetir o desempenho de 2012, onde surpreendeu e chegou nas quartas-de-finais, mas se for remontar o início de sua trajetória existe páginas mais gloriosas, como o vice em 1959 e 1963, além do título da CAF 1970. Atuando em casa, a equipe eliminou Camarões na primeira fase ficando em segundo lugar no Grupo A junto com a Costa do Marfim, na semifinal passou pelos egípcios (2 a 1 no placar). Chegando em sua terceira final, o trauma passado ficou para trás e eles venceram Gana por 1 a 0 e conquistaram o título.

Além disso, venceu a Copa CECAFA (competição mais antiga do continente validada pela FIFA) por três vezes em 1980, 2006 e 2007, os Falcões de Jediane passam por um momento difícil ao ver a Independência do Sudão do Sul em 2011, assim perdendo muito do seu território e da população. Mas, apesar da situação complicada politicamente falando o fato de ter eliminado a África do Sul da CAF ao vencer em casa por 2 a 0, lembrando que os sul-africanos tinham a vantagem do empate no confronto.

O Sudão em 2018 teve a primeira técnica de futebol masculino profissional na África (Al Ahly Al Gadaref) e ela se chama Salma al-Majidi que aos 16 anos se encantou pelo esporte e resistiu mesmo não existindo futebol feminino no país na época. Antes, ela havia comandado a base de times como Al Nasr, Al Nahda, Nile Halfa e Al Mourada, esse passo foi importante, pois em 2020, a ministra dos Esportes Walaa al-Boushi comandou o primeiro campeonato entre mulheres na região (segundo país islâmico a fazer isso), sendo o Al Difaa campeão.

As maiores decepções no início dos estaduais 8 jogos imperdíveis para curtir neste fim de semana! Saiba tudo sobre o UFL, novo game de futebol rival de FIFA e PES Os jogadores mais valiosos do futebol brasileiro