Township Rollers, o início da profissionalização em Botsuana

Nas últimas seis temporadas, a agremiação da capital (Gaborone) conquistou cinco títulos nacionais, a única vez que não foi campeão, o Centre Chiefs conseguiu vencer. O que o time fez de diferente para sair na frente de seus adversários? Apostou em treinadores estrangeiros e buscou contratações de fora do continente (geralmente quando se contrata jogador vem do Malauí, África do Sul, Zimbábue entre outros lugares). Na temporada 2015/2016, como forma de mudar o cenário no país, o Township contratou o técnico inglês Mark Harrison, seu último trabalho foi no West Bromwich sub-18 e junto trouxe o atacante Carl Finnigan, ex-Morpeth Town.

O resultado desse investimento fora dos padrões nacionais foi o título da Liga e assim a diretoria começou a gostar dessa diferença e contratou em 2017/2018, o treinador sérvio Nikola Kavazović (treinou a seleção do Sri Lanka e do Tadjiquistão), esteve por último no AFC Leopards, do Quênia. Logo em sequência foi contratado o argentino Rodolfo Zapata que seguiu o trabalho dos anteriores conquistando os títulos locais. Agora, o próximo passo é chegar mais longe a nível continental, ou seja, passar da fase de grupos da Liga dos Campeões da África, algo que nunca aconteceu, pois foi eliminado nesse estágio em 2017/2018.

Os frutos produzidos pelo presidente Jagdish Shah devem ser colhidos nos próximos anos e Bostuana retornou ao cenário de transferências internacional com a contratação do defensor sérvio Goran Obradovic que possui passagens pelo futebol da Armênia, Laos e Líbano. Além disso, anunciou o retorno de Nikola para o comando-técnico, segundo a torcida foi a melhor época da equipe em termos de apresentação e a expectativa é que somente melhore e cresça para evolução do esporte na região. Esquecer as eliminações para o CNaPS Sports (Madagascar), Bantu FC (Lesoto) e Yanga FC (Tanzânia) na competição continental é essencial.

Foto de capa: Getty Images.

Resta1