“Doutor eu não me engano o Casagrande é Corinthiano”

Hoje contaremos a polêmica história de Walter Casagrande Jr um dos ídolos da Democracia Corinthiana

Walter Casagrande Jr, mais conhecido como Casão, 53 anos e com inúmeras histórias e acontecimentos em sua vida, talvez esteja em sua última chance aqui na terra. Doping, acidentes, overdoses, infarto e problemas no coração acabaram marcando sua vida para sempre.casagrande-caderno-imagens-2

Desde criança Casão tinha o sonho de ser jogador do Corinthians, vivia no Parque São Jorge. Então em 198o fez sua estreia pelo seu clube de coração, mas sua sequencia na equipe foi interrompida brevemente. Após um desentendimento com Oswaldo Brandão, Casão foi emprestado para o Caldense. Mas seu destino realmente estava traçado para brilhar no Corinthians e em 1982 ele voltou para fazer parte da Democracia Corinthiana.

Ao lado de Sócrates, Wladimir, Biro-Biro e Zenon o adolescente Casão era um dos grandes entusiastas do movimento, que brigava por Diretas Já e pregavam o fim da concentração antes das partidas, uma espécie de liberdade para todos. O movimento acabou dando certo e o Corinthians foi campeão Paulista em 82 e 83. Durante a Democracia, ficou marcado uma pequena rusga com o goleiro Emerson Leão, que era totalmente contrário ao movimento. Porém, hoje Casão fala que sempre manteve um ótimo relacionamento com o ex-goleiro, que não apoiava o movimento, porém respeitava e sempre foi super profissional.

Seu lado explosivo começou a dar problemas em 84, quando foi emprestado ao São Paulo, após brigas com a comissão técnica. No rival, Casão teve que jogar fora de posição, visto que Careca era o centroavante. Casão teve uma boa passagem pelo Tricolor Paulista, mas no ano seguinte já estava de volta ao Parque São Jorge. Suas ótimas apresentações renderam a convocação para a Copa do Mundo de 86, para ser reserva de Muller.

Europa

 

A vitrine da Copa do Mundo rendeu ao Casão uma venda para o Porto, sendo campeão da Liga Uefa em 87. Mas Casão fez sucesso mesmo no Ascoli e no Torino, brilhando em jogos decisivos, chegando a fazer 2 gols na final da Liga Uefa pelo Torino em 92, mas o título acabou ficando com o Ajax. Nessa passagem pela Europa, Casão admitiu recentemente que foi obrigado a jogar dopado. Dizia que a prática era comum na época, então aplicava uma injeção onde o jogador não sentia dor muscular, cansaço, fazendo com que ele corresse muito mais do que o normal.

torino

Retorno ao Brasil

Após 6 anos na Europa, Casão não via a hora de voltar para o Brasil, então aceitou uma proposta do Flamengo em 93, sem pensar duas vezes. E um fato curioso em sua passagem pela Gávea aconteceu quando Casão enfrentou o Corinthians no Pacaembu lotado. A Fiel então prontamente entoou os gritos “Doutor, eu não me engano, o Casagrande é Corinthiano” e “Volta, Casão, teu lugar é no Timão”. Essa idolatria deixou Casagrande muito emocionado e no ano seguinte ele teve a sua quarta passagem pelo clube, chegando a incrível marca de 256 jogos e 103 gols anotados. Casão ainda passou pelo Jundiaí e encerrou a carreira em 96, pelo São Francisco.

535qpwz0zx3y9wekx6prst9pi

 

Relação com Sócrates

Casão e Sócrates sempre viveram juntos, como um pai e filho devido a diferença de idade entre ambos. Mas o estilo de vida boêmio dos dois fazia com que a relação entre os dois ficasse em uma sintonia perfeita. Porém, essa sintonia acabou ficando abalada por muitos e muitos anos, quando Casagrande tornou comentarista da Rede Globo, Sócrates acabou ficando magoado com o seu amigo, chegando a falar que o Casagrande tinha se vendido ao sistema. Esse fato deixou o Casão extremamente magoado e ambos voltaram a se falar somente quando Sócrates estava com a saúde debilitada. Casagrande então foi procurar seu amigo, aparou todas as arestas que haviam ficado, conseguindo assim se despedir de seu eterno amigo.

18_MVG_2011051703400

Casagrande fora dos gramados

Todos sabemos que o Casagrande sempre foi um amante do perigo. Rockeiro, sempre viveu no auge da adrenalina, então acabou buscando nas drogas e na bebida o jeito de viver uma loucura. Desde adolescente até poucos anos atrás, Casão teve diversos problemas com as drogas. Seu auge foi em 2007 quando capotou o carro em São Paulo, totalmente drogado. Casão não tem vergonha alguma em admitir todos os seus problemas com as drogas e levar uma vida de ex viciado, até hoje ele passa por tratamentos, internações e segue uma vida light. Após as overdoses, Casão teve que realizar duas cirurgias no coração, ficando em situação extremamente delicada.

 

Casão iniciou a carreira de comentarista na Rede Globo em meados de 97 e sempre recebeu o apoio da emissora e, principalmente, do Galvão Bueno, que sempre esteve ao seu lado nos momentos mais difíceis de sua vida, principalmente após o acidente em 2007. Dono de uma opinião forte e autêntica, Casão diz que a Globo não o censura de maneira alguma.

maxresdefault

 

Contando sua relação com as drogas, Casão relata passagens onde frustrou seus filhos e chegou no fundo do poço. Mas ele tem a grandeza de reconhecer que não é exemplo para ninguém, e ainda mais, de reconhecer que precisa se tratar para o resto da vida. Graças a Deus Casão conseguiu passar por todos esses mal bocados e hoje podemos ouvir suas opiniões polêmicas e autênticas! Para os Corinthianos mais nostálgicos, podemos refazer o famoso grito: “Doutor, eu não me engano, o Casagrande é Corinthiano”

Paulo Sousa promete quebrar o silêncio e falar sobre período no Flamengo FIFA 23: saiba tudo sobre o novo sistema de aceleração do game CRAQUES! Relembre os maiores artilheiros do Flamengo no século 21 COM MUDANÇAS! A provável escalação do Fluminense diante do Atlético-GO