Sai que é sua Taffarel!!

Goleiro foi um dos responsáveis e heróis da Copa do Mundo de 1994 

Jovem e pertencente à uma família humilde de descendentes de imigrantes italianos e alemães, passou grande parte de sua infância na cidade de Crissiumal, cidade do interior gaúcho, e atuou pelo time de sua cidade, Tupi de Crissiumal, até os 17 anos. Porém Cláudio Taffarel queria voar mais alto e tentou testes, sendo reprovado no Grêmio, uma vez, e no Internacional duas vezes, porém em sua terceira tentativa pelo Colorado, o arqueiro foi aceito e começou ali traçar seu rumo como atleta profissional.

INTERNACIONAL

0a
Foto: www.internacional.com.br

Logo no seu primeiro ano Cláudio, como era chamado no inicio de carreira, foi campeão mundial sub 20 com a seleção brasileira. E com isso foi ganhando espaço no clube. O goleiro era tão promissor que em seu segundo ano no clube e com apenas 20 anos, já tinha a titularidade da equipe e status de ídolo. Porém mesmo com todo esse status e conseguindo chegar a seleção brasileira principal, o arqueiro não conseguiu dar um titulo para o clube que o revelou para o futebol, o mais próximo que Taffarel conseguiu chegar foi o vice-campeonato da Copa União em 1987,  perdendo a final para o Flamengo. E se engana quem pensa que o arqueiro teve pouco tempo, foram 6 anos dentro do Inter, de 1985 a 1990, quando foi contratado pelo Parma, após a copa de 1990.

CARREIRA NA ITÁLIA

O primeiro goleiro brasileiro a jogar no futebol italiano, chegou por ser sinônimo de segurança e acabou conquistando seu primeiro título por clube com a camisa da Parma, a Copa da Itália de 1992, e ainda conseguiu conquistar a Recopa Europeia em 1993. Após o título o gaúcho migrou para o Reggiana, onde foi muito importante para manter a equipe na primeira divisão. A maior prova da importância de Taffarel para equipe, é que mesmo jogando em uma equipe de menor porte, suas defesas o levaram a Copa de 1994, nos Estados Unidos.

ATLÉTICO MINEIRO

taffarel-1
FOTO: https://imortaisdofutebol.com

Depois de 5 anos na Itália o goleiro viu sua chance de retornar ao Brasil e com um grande investimento o Atlético Mineiro trouxe Taffarel de volta para casa. É importante relembrar que com o  valor de  R$ 1,3 milhões de reais, o arqueiro havia se tornado, até aquele momento, a contratação mais cara de um goleiro, no futebol brasileiro. Taffarel logo se tornou ídolo e ficou no atlético entre 1995 a 1998, ganhando um campeonato mineiro e uma Copa Comebol, porém o que mais chamou a atenção, além das grandes defesas, na passagem de Taffarel pelo Atlético, foi uma carta que ele deixou, justificando sua saída para o Galatasaray em 1998, após a Copa do Mundo.

“Tudo isto e mais os títulos e quase títulos com o Galo, coroam estes quase quatro anos. Agradeço a Deus por tudo e pela oportunidade de ter vivido o que vivi porque no meu coração vou ter sempre a recordação calorosa e simples deste povo das Minas Gerais. Afinal, só mesmo se eu fosse uma criatura amarga poderia deixar que poucos momentos de tristeza causados por pessoas de espírito tão pobre, sobrepusessem as alegrias que vocês, meus amigos, me proporcionaram.
Se hoje estou deixando Belo Horizonte, não é por minha vontade, é porque relacionamentos profissionais como o que eu tenho com a diretoria do Atlético atingem limites e o limite foi atingido. O que eu quero dizer a vocês é que as diretorias passam, os jogadores chegam e vão embora, mas o Atlético Mineiro é uma instituição. Um clube de tradição, de força, de raça e com uma das maiores e melhores torcidas do Brasil. Por isso, mesmo sem TAFFAREL o grito do galo vai continuar ecoando por todos os grandes estádios do país e onde quer que eu esteja, tenho certeza, vou ouví-lo.
Um forte abraço, Taffarel.”                   

(Trecho da carta de Taffarel a torcida do Atlético MG, em 1998)

GALATASARAY

4 Aug 2000: Claudio Taffarel of Galatasaray in action during the Pre-Season Friendly Tournament match against Bayern Munich at the Olympic Stadium, in Munich, Germany. Bayern Munich won the match 3-1. Mandatory Credit: Ross Kinnaird /Allsport
Foto: http://alchetron.com

Atuando pelo clube entre 1998 a 2001, Taffarel tinha que continuar fazendo história, e não é que o grande goleiro brasileiro daquele período ainda tinha muita lenha pra queimar? Na Turquia ele foi bicampeão turco, bicampeão da Copa da Turquia, campeão da Super Copa europeia e ainda assegurou ao Galatasaray um título inédito para o futebol turco, Campeão da Liga Europa, primeiro título internacional de um clube turco, em toda história.  O joga da final, diante do Arsenal de Thierry Henry, ainda está gravado no coração dos torcedores turco e fazendo verdadeiros milagres, Taffarel é considerado o grande herói daquela final.

Grande prova da idolatria dos torcedores e do Galatasaray a Taffarel, é que desde de 2012, o arqueiro brasileiro foi contratado para ser treinador de goleiros do clube.

FIM DE CARREIRA

No final da temporada de 01/02, Taffarel voltou para o Parma com a intenção de encerrar a sua carreira, porém ainda conseguiu mais um título para seu curriculum, venceu a  Copa da Itália de 2002 em uma final contra a Juventus. Mesmo sendo sondado por grandes clubes brasileiros como Corinthians, Fluminense e Cruzeiro o atleta em 2003, aos 37 anos, preferiu encerrar suas carreira com a camisa do Parma.

SELEÇÃO BRASILEIRA

taffa
Foto: http://trivela.uol.com.br

Participante das Copas de 1990,1994 e 1998, o goleiro tem seu nome marcado na história da seleção canarinho. Com uma grande fama de pegador de penaltis, o gaúcho Taffarel sempre apareceu assim que a seleção precisou dele. Foram 104 partidas, e até hoje é o goleiro com mais jogos pela seleção brasileira. Porém a maior marca de Taffarel está em 94, após sofrer apenas 3 gols em 7 jogos, Taffarel ainda conseguiu pegar um pênalti na grande final contra a Itália, jogo em que foi criado o bordão “Sai que é sua Taffarel”, criado pelo narrador da rede Globo, Galvão Buenos.

Ídolo por onde passou, campeão da Europa, campeão do mundo, campeão da vida. Vindo da humildade e perseguindo o sonho. Não sei quantas chances você pode deixar passar, mas sei que a dele, Taffarel agarrou.

Por Maikon Gonçalves @mkngoncalves