Diego Ribas e a essência da possibilidade

Há alguns dias, o Clube de Regatas do Flamengo apresentou seu meio-campista Diego Ribas. Considerado uma grande (sem dúvida) contratação, Diego veio com a missão de mudar o clube de patamar.
Sua qualidade técnica está um pouco acima do meia padrão no país, são bem poucos ou talvez não exista um jogador com suas características. É um meia onde pode lançar, atuando como 10 clássico e ao mesmo tempo ser participativo em um lance de finalização. Incrível? Sabemos.
Com sua chegada, o Flamengo pode brigar pelo título nacional, o Brasileirão. Título que não conquista desde 2009. Não torna impossível e muito menos um exagero.
O torcedor tem todo seu direito de comemorar como fez em sua chegada ao aeroporto, criar expectativas de sua volta ao futebol brasileiro, onde nasceu.

Mas é preciso considerar 4 fatos que o atrapalham:
1)- Diego não joga no Brasil desde 2004, o atrapalha pois os costumes entre o futebol europeu e o do Brasil são bem diferentes. Horários de treinos, tempo com a família, o problema do clube não possuir um estádio fixo e ter que viajar até quando joga de mandante.
2)- O melhor de Diego se encontra no Werder Bremen 2006-2008, Alemanha.
3)- Poucas partidas como titular na Espanha quando era jogador do Atlético de Madrid, já dirigido por Simeone. Era considerado o 12° jogador, aquele que entra no decorrer e tenta resolver.
4)- Não era relacionado no Fenerbahçe (Turquia), pouquíssimas vezes era reserva mas não entrava. Em 9 meses soma 3 gols. Claro que devemos considerar que o atleta era reserva, então este fato não deve ser tão considerado.

Claro que Diego não era culpado. O futebol tem dessas coisas. Em suas entrevistas sempre mostrou responsável, um atleta que põe sua carreira profissional em primeiro lugar sem manchar sua imagem.

Em sua primeira entrevista como jogador do Flamengo, Diego foi saudado por jornalistas, o recebendo com ótimas mensagens e perguntas que não faziam parte do roteiro que ele imaginou. Sem receber uma pergunta sobre o assunto, Diego disse para que os torcedores pudessem ter calma e que ele não jogava bem o seu futebol há algum tempo. De que precisa voltar a sua forma, voltar ou até melhorar suas qualidades técnicas. Diego foi sincero.
Tem em mente o seu papel, sua responsabilidade. Está ciente que precisa voltar ao seu condicionamento para se juntar ao clube e assim defender.

É uma ótima contratação, sem dúvidas. Mas o torcedor precisa ter paciência com o jogador e ver que é uma questão de tempo até ele ser o Diego de 2004 que abriu portas para a Europa ou até o Melhor Diego de 2006-2008.

O Flamengo está em boa posição da tabela contando número de rodadas. Brigando pela parte de cima, o topo. Por uma suposta quarta vaga no que daria acesso a próxima Libertadores da América. Torneio que o clube não disputa desde 2014 quando conquistou a Copa do Brasil em 2013.
Nesse momento, o Brasileiro está em sua 16° rodada. O Flamengo está na 6º colocação com 8 pontos atrás do líder Palmeiras.
Flamengo tem um time. Tinha uma flecha em sua formação e agora depois de muito tempo tem o arco.

Está se deixando sonhar, torcedor? Continue. É impossível? Nunca.

Diego quando chegou, deixou um cheiro diante dos torcedores. Está sentindo? O cheiro do possível hepta.

Por: Patrick Manhães