Entenda por que Palmeiras preferiu negociar Borja e manter Deyverson

(Foto: Lucas Uebel/Grêmio)

Atacante colombiano é destaque do Grêmio desde sua chegada no tricolor. Já são 4 gols em 7 jogos e titularidade absoluta.

O torcedor palmeirense deve estar se perguntando o motivo do Palmeiras ter liberado Borja, destaque do Grêmio de Felipão, e mantido Deyverson no atual elenco. Ainda mais após ver o colombiano ter feito o gol da vitória dos gaúchos no último domingo, contra o Flamengo, em pleno Maracanã.

Borja é o artilheiro do Grêmio no Campeonato Brasileiro, com quatro gols em sete partidas disputadas. O centroavante tem sido a referência do time de Felipão, que esboça uma reação para sair da zona de rebaixamento da competição.

Já Deyverson, retornou do futebol espanhol na última janela de transferências, após término de seu empréstimo, e balançou as redes apenas em 2 oportunidades, em 18 jogos disputados. Além dos poucos gols, o atacante vem perdendo espaço e tem sido pouco aproveitado por Abel Ferreira.

O motivo da preferência por Deyverson é simples: não chegaram propostas ou surgiram clubes interessados no jogador. Com a forte concorrência no setor, na avaliação da diretoria, seria inviável manter três atletas da mesma posição no elenco: Borja, Deyverson e Willian, além de Rony que também vem atuando no setor.

Dessa forma, mesmo com bons números atuando com a camisa do Junior Barranquilla, durante empréstimo na última temporada, e pela Seleção Colombiana, Borja precisou ser negociado. Luiz Adriano chegou a ser sondado por Internacional e Grêmio, mas as conversas não avançaram. Deyverson teve que ser reintegrado após não ter recebido nenhuma proposta, em seu retorno de empréstimo do Alavés (ESP).

Sendo assim, como apenas Borja recebeu uma proposta oficial, a diretoria do Palmeiras decidiu por negociá-lo. Apesar de elogiado na semana de treinos que participou com Abel, os termos propostos pelo Grêmio agradaram a diretoria do Verdão que optou por liberar o jogador. O Palmeiras recebeu pouco mais de R$5 milhões pelo empréstimo até o final de 2022, com a opção de pedir sua liberação caso surja alguma oferta para venda. Além disso, o vínculo com o colombiano foi ampliado por mais 18 meses, mesmo período do empréstimo para o tricolor gaúcho.

Dos centroavantes que permaneceram no Verdão, a esperança da comissão técnica de Abel Ferreira é na recuperação de Luiz Adriano, principal artilheiro e referência nas conquistas de 2020. O camisa 10 voltou a balançar as redes no último sábado, contra a Chapecoense, após mais de 100 dias sem marcar. Recuperado de um problema no joelho direito, a expectativa é que o atleta retome as boas atuações das últimas temporadas pelo Palmeiras.