Mais uma vez, afastamento de Peres é pedido, junto com membros do Comitê de Gestão, e Rollo é poupado e pode assumir

Mesmo estando com seu mandato na reta final, o presidente José Carlos Peres, vê mais um pedido de afastamento surgir. A Comissão de Inquérito e Sindicância do Santos apresentou um relatório no final do mês de agosto, onde pede o afastamento imediato do presidente, por apontar irregularidades nas contas de 2019, que não foram aprovadas. Já o vice-presidente, Orlando Rollo, que se tornou desafeto do presidente, alega estar afastado da diretoria desde de 2018, foi poupado das acusações.

Além do presidente José Carlos Peres, a Comissão indica a punição aos membros do Comitê de Gestão, que é responsável de forma direta das decisões do Clube. Cientes de que os dirigentes não podem ser afastados, a solicitação é de suspensão, eliminação do quadro associativo e inelegibilidade. Os conselheiros citados são: Pedro Dória, José Gaia, Matheus Rodrigues, Paulo Schiff, Luiz Perão, Estevam Juhas e José Bruno Carbone.

Sobre a solicitação da CIS, em junho, o Conselho Fiscal do Santos apontou diversas irregularidades estatutárias nos demonstrativos financeiros do ano de 2019, como as comissões pagas nas transferências de jogadores, como Bruno Henrique ao Flamengo, a diferença dos números do que foi orçado e o que foi gasto, e também o uso do cartão corporativo, por razões pessoais, pelo presidente José Carlos Peres.

Os dirigentes citados, apresentaram suas defesas a Comissão de Inquérito e Sindicância. Os dirigentes santistas negam ter pago comissionamento pela venda do atacante Bruno Henrique ao Flamengo, afirmando que dentre os clubes brasileiros, é um dos que menos pratica este tipo de benefício. Já o presidente José Carlos Peres, afirma que cancelou o cartão corporativo e está devolvendo a quantia que foi informado ser utilizado por ele. No caso do membro do Comitê de Gestão, Pedro Doria, o Conselho aponta que foi contratado um escritório de advocacia para o defender, o que é negado pelo dirigente.

Depois das d efesas apresentadas, a Comissão de Inquérito e Sindicância confirma que segue pedindo o afastamento do mandatário santista, e também dos demais membros do Comitê de Gestão, e que todas as penalidades sejam aplicadas com rigor.