Há 25 anos, o jejum se quebrava, sob o comando de Romário e Dunga

Há exatos 25 anos, o Brasil quebrava um jejum incômodo de 24 anos sem a conquista da Copa do Mundo. As frustrações de 1982 e 1986, com times mágicos sendo eliminados e o fracasso melancólico em 1990, fizeram do mundial de 1994, uma conquista mais que especial. O time não era unanimidade e nem era dos mais cotados a ser campeão, mas a cada partida, os comandados de Carlos Alberto Parreira e Zagallo, fizeram sua história, inclusive na final, que foi a primeira decidida nos pênaltis.

O grande destaque da seleção de 1994 com certeza foi o conjunto e o equilíbrio. Criticado em 1990, Dunga, foi o capitão de 1994 e o grande nome no meio campo canarinho. A torcida ainda viu nomes como Mauro Silva, Taffarel, Aldair, Branco e Jorginho entrarem de vez na história da Seleção, enquanto o atacante Romário, este sim, foi o grande nome brasileiro no mundial. O “baixinho” foi decisivo na seleção, chamou a responsabilidade e protagonizou lances de pura genialidade, terminando a competição como artilheiro brasileiro com 5 gols e a taça de campeão nas mãos, como havia prometido, quando foi a público ‘pedir’ sua própria convocação.

Times como Colômbia e Romênia eram promessas, mas foram caindo pela competição. O adversário mais complicado para a seleção brasileira, foi a Suécia, quem enfrentou na fase de grupos, quando empatou em 1 x 1, e depois nas semifinais, quando o Brasil venceu, com gol de cabeça do Romário, no meio dos gigantes suecos. Se a Suécia, foi o adversário mais duro que o Brasil enfrentou, com certeza o jogo mais emocionante foi nas quartas de final, contra a Holanda. O “carrocel holandês” tinha os irmãos De Boer, Rijkaard, Koeman, Overmars e Bergkamp, um time extremamente forte. Para o jogo, o Brasil veio com uma mudança na lateral esquerda, já que o titular Leonardo havia sido expulso no jogo contra os Estados Unidos. Branco, substituto natural era muito contestado, mas foi o grande nome do jogo. Jogou os 90 minutos, anulou o veloz Overmars e de quebra, ‘cavou’ a falta que ele mesmo converteu no gol da vitória brasileira.

A volta da Seleção Brasileira a uma final de mundial não poderia ter outro adversário, a não ser a Itália, time que o Brasil conquistou seu último título, com a mágica seleção de Pelé. O time italiano chegou às finais após dramáticas classificações, e com seu time comandado pelo meia Roberto Baggio. De um lado Romário, do outro Baggio, os grandes protagonistas das suas seleções se enfrentando. Durante o tempo normal, o jogo foi muito estudado e respeitado por ambas as equipes, e o grande lance foi um chute de Mauro Silva e uma quase falha bisonha do goleiro italiano Pagliuca, que deixou a bola escapar das mãos e bater na trave. Na prorrogação, o 0 x 0 persistiu e pela primeira vez, a disputa foi decidida nos pênaltis.

E nos pênaltis, mais um nome contestado da seleção entrou para a história. O goleiro Taffarel, que tinha a desconfiança da torcida brilhou defendeu a cobrança de Daniele Massaro e viu o zagueiro Franco Baresi e Roberto Baggio isolarem suas cobranças. Pelo Brasil, Márcio Santos, que era quem tinha o melhor aproveitamento nos treinos, perdeu sua cobrança e os gols brasileiros foram feitos por Dunga, Romário e Branco, levando o Estádio Rose Bowl ao delírio, ao ver o Brasil voltar a ser o primeiro Tetracampeão mundial e uma geração que havia sido marcada pelo fiasco de 1990, dar a volta por cima e dar alegria à torcida brasileira.

(  Foto: Bongarts )

Os 10 melhores laterais brasileiros do FIFA 08 ESTRANHA! Relembre a primeira escalação de Jurgen Klopp pelo Liverpool em jogos oficiais SÓ CRAQUE! Os atacantes convocados pela Seleção Argentina nas últimas 10 Copas do Mundo Os números de Rodrigo Nestor em 2022