Sem Restrições: A história de Justin Fashanu, primeiro jogador assumidamente gay

O futebol, de forma errônea, sempre foi tratado como um esporte bruto, sendo proferidas frases como “esporte para macho” para tratar dele. Contudo, isso apenas fez com que o esporte criasse uma crosta ainda maior perante pessoas que pensam de maneira diferente, sejam homossexuais – caso que vamos relatar aqui – ou, até mesmo pessoas que não gostam da modalidade. Portanto, hoje, Dia do Orgulho LGBTQI+, lançamos a série Sem Restrições.

Na série Sem Restrições, traremos fatos sobre discriminações descabidas e extremamente absurdas com atletas do nosso esporte. Hoje, contaremos a história de Justin Fashanu, primeiro jogador que assumiu abertamente ser homossexual.

A homossexualidade no futebol sempre foi um tabu a ser quebrado, porém, quase nunca se conversa sobre, e, por isso, fica ainda mais difícil de se romper. Há 30 anos, Justin Fashanu se declarou abertamente gay, deste modo, sendo o pioneiro nesta situação. A declaração do atleta que atuava no futebol inglês foi ao periódico The Sun, um dos principais jornais do país.

O sofrimento antes do preconceito

Justin Fashanu nasceu em Londres, no ano de 1961. Filho de mãe guianense e pai nigeriano, Justin tinha um irmão, John Fashanu. Ainda em sua infância, seus pais se separaram, e os irmãos foram doados a um orfanato, já que a mãe alegava não ter condições de cuidar de seus filhos, enquanto o pai voltava ao seu país natal.

Quando tinham seis anos, os irmãos foram adotados por Alf e Betty Jackson, uma família inglesa, já mais de idade e de classe média-alta. Como o próprio Justin afirmou em entrevistas ao longo de sua trajetória, sua infância foi marcada pelo racismo. Os Fashanu eram os únicos negros na localidade, e, obviamente mas infelizmente, na época sofreram bastante com o preconceito racial.

O início brilhante

O jogador era, sem dúvida, uma das maiores promessas do futebol inglês à época. Justin Fashanu iniciou sua carreira nas categorias de base do Norwich City, e, já aos 19 anos, marcava presença nas seleções de base da Inglaterra. Todavia, antes de chegar ao clube, Justin se destacava no boxe, até que um dia um olheiro o convidou – e quase implorou – para que ele se juntasse à equipe do leste do país.

O jogador se destacava pela velocidade, altura e força – esta última característica também fora das quatro linhas. Fashanu, atuou pelo Norwich em três temporadas, marcando 40 gols. Um desses gols ficou marcado, foi o tento contra o Liverpool, um dos maiores clubes do futebol mundial – este golaço sendo eleito como o gol do ano.

Após isso, Justin Fashanu deixaria o modesto Norwich, partindo rumo ao Nottingham Forest, bicampeão europeu e que treinado por um dos maiores técnicos ingleses da história: o homofóbico Brian Clough. Ali, Justin Fashanu se tornava o primeiro jogador negro a ultrapassar o valor de 1 milhão de libras. Contudo, quando parecia tudo bem, é ali que começa a derrocada em sua carreira.

O gol marcado por Fashanu contra o Liverpool, na temporada 1979/1980.
O declínio

O jovem atacante, além de não conseguir manter o nível de atuação que demonstrou no Norwich, foi frequentemente visto em pubs gays, algo que não agradou o histórico treinador inglês, que chegou até a afastá-lo do restante do elenco. Pelo Nottingham Forest, o jogador atuou em 32 partidas e marcou apenas três gols.

Sem espaço no clube, tomou o caminho rumo ao Southampton, onde também não conseguiu mostrar o seu bom futebol. Depois disso, foi vendido ao Notts County, maior rival do Nottingham, por pouco mais de dez por cento do valor desembolsado pelo clube anos antes. Ademais, foi ao Brighton, onde uma grave lesão no joelho tratou de encerrar seu período no futebol inglês.

Justin partiu rumo aos Estados Unidos, onde tentou seguir a carreira depois de sua operação no joelho, devido à lesão. Sem sucesso. A carreira de Fashanu já não tinha mais aquele luxo que ele gostava de mostrar – usando, segundo ele, para mostrar que os negros também podem ter sucesso. Até este momento, mesmo que sempre perguntado sobre sua sexualidade, negava ser homossexual.

Justin Fashanu com a camisa do bicampeão europeu Nottingham Forest. (Reprodução)
Justin e John, Justin versus John

A conturbada relação com o irmão John nem sempre foi assim. Durante a infância e adolescência, Justin sempre foi forte e tentou defender John de tudo, além de apoiá-lo, já que foi quem mais sentiu a separação dos pais. Nos fins dos anos 80 e início dos 90, quando Justin via o declínio em sua carreira, John alavancava à sua.

Justin Fashanu iria assumir publicamente ao tabloide The Sun que era homossexual. No entanto, com medo de sua carreira também ser destruída pelo fato do irmão se revelar gay, John ofereceu cerca de 100 mil libras para que Justin não concedesse a declaração. Quem sempre foi apoiado, neste momento, iria contra a vontade do irmão, por mero preconceito e medo se sua carreira também ser destruída.

Os irmãos John e Justin Fashanu. (Reprodução)
A revelação

No dia 22 de agosto de 1990, o The Sun estampava sua capa com os dizeres “Estrela do futebol de 1 milhão de libras: eu sou gay“. Justin Fashanu assumia ser homossexual. Fashanu, pela exposição, recebeu cerca de 70 mil libras, 30 mil a menos do que o oferecido pelo seu irmão. Todavia, infelizmente, Justin perdeu muito mais.

O atacante revelado pelo Norwich sempre era capa do jornal. Segundo o mesmo The Sun, Justin admitiu ter relações com um parlamentar inglês. Fashanu seguiria sendo notícia, mas não só no The Sun, também em outros meios. Entretanto, sua vida não seria mais a mesma, ele começaria a sofrer ainda mais, tanto como jogador quanto como pessoa.

A capa do The Sun em 1990. (Reprodução)
O triste fim da história de Justin Fashanu

O tempo passava, todavia algumas coisas não mudavam. Fashanu voltava a sofrer preconceitos – tanto por sua cor quanto pela orientação sexual. A vida de Justin se tornou um tormento e isso aumentava a cada dia. Depois de assumir a homossexualidade, o atacante rodou por onze clubes, mas não se firmou em nenhum deles.

Certo tempo depois, um jovem de 17 anos acusou Fashanu de abuso sexual. Um agravante da situação foi o fato da localidade considerar ilegal a relação homoafetiva. Depois de ser interrogado pela polícia local, Justin partiu rumo ao seu país natal, a Inglaterra. Após a investigação, os responsáveis concluíram que se tratava de uma chantagem.

Entretanto essa decisão, infelizmente, não surtiria efeito. Em 2 de maio de 1998, foi encontrado morto em uma garagem no norte de Londres. “Me dei conta de que já fui condenado como culpado. No quero mais ser uma vergonha para meus amigos e minha família”, dizia a carta deixada sobre o corpo do histórico jogador.

John Fashanu, irmão de Justin, diz lamentar todos os dias pela morte do irmão. Isso pode fazer-nos refletir, mais uma vez, que, devemos apoiar as pessoas independente de escolhas, cor de sua pele, e outros fatores. Nós, na série Sem Restrições, repudiaremos qualquer ação que fira a moral e “proíbe” pessoas de expressarem suas opiniões.

Acreditamos que, só com diálogo sobre, podemos assim começar a resolver esses problemas que causa à morte de várias pessoas todos os dias, seja a homofobia, o racismo, ou qualquer outro. Pela igualdade e pelo direito de escolha de todos!

Foto de capa: Norwich City.

Os jogadores em atividade com mais partidas pela Argentina em Copas do Mundo Adversário duro! Relembre as campanhas da Croácia em Copas do Mundo Treinadores que podem deixar ou já deixaram o comando das Seleções após a Copa de 2022 Os jogadores em atividade com mais partidas de Copa do Mundo pela Seleção Brasileira