Un día como hoy: Argentina era bicampeã olímpica em Pequim

A Argentina não ganha títulos por sua seleção principal desde o ano de 1993, porém nesse período de 27 anos sem títulos, sua Seleção Olímpica ganhou a medalha de ouro duas vezes: em Atenas 2004 e Pequim 2008. A última faz aniversário neste 23 de agosto de 2020. São 12 anos da conquista de um time que tinha Juan Riquelme de camisa 10 e um jovem Lionel Messi usando a camisa 15. Além desses, haviam outros futuros craques naquele plantel.

O un día como hoy rememora grandes feitos, títulos, medalhas, conquistas, alegrias e tristezas do futebol sul-americano. E em mais um dia especial, a história deste 23 de agosto conta o bicampeonato olímpico da Argentina. Confira a última matéria da série abaixo:

Jogos Olímpiadas de 2008

As Olímpiadas de 2008 em Pequim tiveram seis sedes: Estádio Nacional de Pequim, Estádio dos Trabalhadores, ambos em Pequim, Estádio Olímpico de Tianjin, Estádio Olímpico de Shenyang, Estádio de Shangai e o Estádio Olímpico de Qinhuangdao. Foram 16 seleções participantes divididas em quatro grupos.

No grupo A: Argentina, Costa do Marfim, Austrália e Servia. No grupo B: Nigéria, Holanda, Estados Unidos e Japão. O grupo C tinha Brasil, Bélgica, China e Nova Zelândia. A última chave, o grupo D, vinha com Itália, Camarões, Coreia do Sul e Honduras.

A Argentina começou a campanha com três vitórias e apenas um gol sofrido. O time do treinador Sergio Batista venceu a Costa do Marfim por 2 a 1 na estreia em Shangai. Depois, vitória simples diante dos australianos e fechando a primeira fase, 2 a 0 sobre a Servia. O adversário pelo chaveamento seria o segundo colocado do grupo B, o time holandês.

O jogo das quartas de final foi novamente no Estádio de Shangai e a partida foi para a prorrogação após empate em 1 a 1 com gols de Lionel Messi e Bakkal. No final do primeiro tempo da prorrogação, ‘La Pulga’ Messi fez jogada pela direita e lançou rasteiro Ángel Di María, que dominou, entrou na área e fez o gol da vitória.

O adversário seguinte era o Brasil para um clássico sul-americano. Para muitos, eram os dois melhores times em qualidade técnica daqueles Jogos Olímpicos e foi tratado como uma ‘final antecipada’. O time brasileiro tinha no time jogadores como Ronaldinho Gaúcho, Marcelo, Hernanes. Mas quem brilhou foi Sergio Aguero. O camisa 16 na ocasião fez dois gols para abrir a vitória por 3 a 0 sobre o time de Dunga no Estádio dos Trabalhadores. O gol para ‘fechar o caixão’ foi em pênalti sofrido por Aguero. Riquelme fez e eliminou o Brasil.

Aguero foi o nome do jogo na eliminação brasileira em 2008 (Reprodução/Globo Esporte)

A final foi um jogo tenso diante da Nigéria, o time campeão no dia do treinador Sergio Batista 23 de agosto de 2008 veio com Romero; Zabaleta, Garay e Nicolás Pareja; Luciano Monzón, Fernando Gago, Javier Mascherano, Ángel Di María e Juan Román Riquelme; Lionel Messi e Sergio Agüero. Já a Nigéria de Samson Siasia estava com Ambruse Vanzekin; Okonkwo, Apam, Adeleye e Olubayo Adefemi; Sani Kaita, Ebenezer Ajilore, Promise Isaac e Victor Obinna; Solomon Okoronkwo e Peter Odemwingie.

O time argentino tinha um leve favoritismo diante da Seleção Nigeriana e o gol do título saiu do talento de uma das melhores gerações argentinas. Aos 8 minutos da etapa final, Riquelme dividiu a bola, que caiu com Lionel Messi. Ele puxou para canhota e lançou Di María no contra-ataque. De frente para o goleiro, Ángel teve a categoria e mandou por cobertura. Placar final 1 a 0 e medalha de ouro para a Albiceleste.

Foto de capa: Reprodução

Resta1